Mais Justiça, Menos Desigualdades

Blog



Desperdício de alimentos: entenda suas consequências

11/05/2021 Tempo de leitura: 3 minutos
 

O desperdício de alimentos é um fator potencializador da insegurança alimentar e da fome no mundo. Segundo a Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO), mais de 30% da produção mundial de alimentos é desperdiçada a cada ano entre as fases de pós-colheita e a venda no varejo.

Esse desperdício também acontece em processos produtivos e na rotina de famílias e empresas, mas não deveria. Segundo o Programa Mundial de Alimentos (PMA), cerca de 31 milhões de pessoas enfrentarão a insegurança alimentar nos próximos meses. Uma quantidade de pessoas 30% superior à do ano passado e a maior dos últimos dez anos.

Neste artigo, discutimos a desigualdade na distribuição de alimentos, as consequências do desperdício de alimentos em nossa sociedade e as principais ações que podem minimizar essa perda. Vamos lá?

Desigualdade na distribuição de alimentos

Enquanto o Brasil é um dos maiores exportadores de insumos agrícolas do mundo, os brasileiros sofrem com a desigualdade na distribuição de alimentos e a fome.

O volume de produtos exportados anualmente seria suficiente para alimentar toda a população do país. Entretanto, investe-se na produção agrícola para a venda de commodities, sem exigências por parte do governo para que uma parcela da produção seja distribuída no mercado interno.

Na realidade, grande parte da produção exportada tem um destino diferente do que muitas pessoas supõem: se transformam em ração animal. Posteriormente, esses animais também se transformarão em carne, destinada ao consumo de pessoas integrantes das classes mais altas da sociedade.

Enquanto isso, as pessoas de baixa renda têm o seu consumo limitado pelo desabastecimento, fato que justifica o aumento do preço de produtos básicos nas gôndolas do mercado. Com isso, reforçam os índices de cidadãos em situação de insegurança alimentar.

Causas e consequências do desperdício de alimentos

A fome no país também tem outro inimigo: o desperdício de alimentos. Além de reforçar a situação de insegurança alimentar, o desperdício de alimentos gera consequências graves para a preservação ambiental.

Isso acontece porque a produção agrícola em larga escala exige um enorme volume de água e uso de insumos agrícolas (agrotóxicos e fertilizantes, por exemplo) que prejudicam o meio ambiente. Além disso, gera mais:

  • desmatamento;
  • aumenta a demanda por transporte;
  • consumo de energia e de combustíveis fósseis.

Segundo a FAO, cada fase da logística agrícola incrementa o custo ambiental da produção. Assim, quanto maior o volume de alimentos perdidos na cadeia produtiva, maiores serão as consequências negativas para o planeta.

As causas para tanto desperdício são muitas. Toneladas de alimentos são jogados no lixo em função de sua alta perecibilidade, condições inadequadas de embalagem, manuseio, transporte e armazenamento.

Em alguns países, fatores estéticos são a justificativa para o desperdício de alimentos — muitos mercados consumidores rejeitam pequenos defeitos em frutas e legumes, por exemplo.

No Brasil, cerca de 10% dos alimentos também são desperdiçados na casa dos consumidores, ainda que o país tenha uma alta taxa de rejeição ao desperdício de alimentos.

Formas de minimizar o desperdício de alimentos

Selecionamos as melhores práticas para minimizar o desperdício de alimentos em âmbito doméstico:

  • opte por alimentos produzidos localmente. A agricultura familiar é mais sustentável, mais saudável e ainda fomenta a economia local. Além disso, é possível minimizar as perdas nas fases de transporte e armazenamento;
  • aprenda a preparar receitas mais sustentáveis, com partes dos alimentos que geralmente são jogados no lixo, como raízes, cascas e sementes;
  • crie grupos para compra e compartilhamento de alimentos. Atualmente, existem modelos de assinatura para o consumo sustentável. Você também pode contatar os produtores de alimentos mais próximos e formar grupos para adquirir os produtos a um preço mais acessível, de acordo com a sazonalidade e sem desperdício;
  • diminua o volume e aumente a frequência de compra de alimentos nos mercados, assim você não precisa armazenar grandes quantidades, o que reduz o desperdício. Além disso, você consome produtos sempre frescos e melhora o planejamento do seu consumo familiar;
  • aprenda a armazenar de forma adequada as sobras dos alimentos;
  • mantenha os armários e a geladeira sempre organizados. Use o sistema de gestão de estoques FIFO (First In, First Out). Assim, produtos comprados antes devem ser consumidos primeiro;
  • aprenda a fazer compostagem de resíduos orgânicos. Você pode usar o húmus para criar a sua própria horta!

Por fim, ajude pessoas ao seu redor, busque organizações que auxiliem em doações e criem campanhas para a redução da fome no país. Além de prezar pela diminuição do desperdício de alimentos, você se sente melhor em saber que está ajudando alguém em sua alimentação diária!

Agora que você sabe as consequências do desperdício de alimentos e o que fazer para evitá-lo dentro da sua casa, que tal descobrir quais os impactos da pandemia na cadeia de produção de alimentos?

Categoria:

Desigualdade na Comida

Cadastre-se
Junte-se a nós para contribuir para as mudanças que queremos na sociedade brasileira.
Cadastre-se agora para receber mais informações!
Ao se cadastrar, você concorda com a política de privacidade da Oxfam Brasil


Deixe um comentário


A Oxfam Brasil utiliza cookies para melhorar a sua experiência

Ao continuar navegando na nossa página, você autoriza o uso de cookies pelo site.