Mais Justiça, Menos Desigualdades

30 dias sem Bruno Pereira e Dom Phillips: quem mandou matá-los?

Nota pública da Oxfam Brasil homenageia o indigenista brasileiro e o jornalista inglês no dia que marca o primeiro mês desde o desaparecimento e morte dos dois na Amazônia.

05/07/2022 Tempo de leitura: 2 minutos
 

Hoje completam-se 30 dias, do desaparecimento e morte do indigenista brasileiro Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips na terra indígena Vale do Javari, na Amazônia, que causou tristeza e indignação internacional, colocando o Brasil mais uma vez em destaque no mundo como um dos países mais inseguros para aqueles que defendem os povos indígenas, seus territórios e o meio ambiente.

Levantamento da Comissão Pastoral da Terra (CPT) divulgado em abril deste ano mostra que houve 35 assassinatos em 2021 por conflitos de terra no Brasil, sendo que a maior parte dos casos ocorreram na Amazônia Legal. O número de pessoas ameaçadas de morte chegou a 159.

A Amazônia Legal concentra mais de 90% dos casos de desmatamento ilegal do país, uma das principais causas dos conflitos que expulsam povos indígenas e famílias de suas terras, aumentam as desigualdades e promovem mortes. A expansão predatória do agronegócio, pecuária e mineração legal e ilegal (garimpo) na região são vetores de destruição, e contam com o consentimento de um governo federal que vira às costas para as ilegalidades na Amazônia e desmonta órgãos federais como a Funai e o Ibama, deixando-os impotentes frente aos crimes e desmandos na região.

Os detalhes do duplo assassinato ocorrido no Vale do Javari ainda estão sendo apurados, mas o governo Bolsonaro tem que ser responsabilizado pela negligência ao não oferecer total apoio às buscas de Dom e Bruno quando foi noticiado o desaparecimento dos dois e pelo desrespeito e desprezo demonstrado às vítimas quando questionado sobre suas atividades na Amazônia.

A Oxfam atua para a proteção da Amazônia, patrimônio brasileiro, e pela defesa dos povos das florestas desde os anos 1970, quando apoiou o trabalho dos irmãos Villas Boas, idealizadores do Parque Nacional do Xingu, e também do ambientalista e seringueiro Chico Mendes no Acre. Seguimos hoje atuando com povos e comunidades da Amazônia por mais justiça e menos desigualdade.

A Oxfam Brasil presta condolências às famílias do indigenista brasileiro e jornalista inglês, e junta-se a todas e todos que exigem apuração imediata desse crime que desonra toda uma nação.

A Polícia Federal já admitiu que, além dos irmãos Amarildo e Oseney da Costa Oliveira, há possivelmente outros envolvidos nos crimes. Quem ordenou o assassinato de Bruno e Dom? O que motivou as mortes? Queremos saber!

Bruno e Dom, assim como Chico Mendes, Dorothy Stang, José Cláudio Ribeiro e Maria do Espírito Santo, Maxciel Pereira dos Santos e tantos outros defensores da terra, do meio ambiente e dos povos indígenas, foram assassinados, mas não calados, porque suas vozes ecoarão para sempre em nossos corações e mentes!

Justiça para Bruno e Dom! Justiça para o Brasil!

Katia Maia, diretora executiva da Oxfam Brasil

Notícias Relacionadas:
imagem do banner
Cadastre-se
Junte-se a nós para contribuir para as mudanças que queremos na sociedade brasileira.
Cadastre-se agora para receber mais informações!
Ao se cadastrar, você concorda com a política de privacidade da Oxfam Brasil

A Oxfam Brasil utiliza cookies para melhorar a sua experiência

Ao continuar navegando na nossa página, você autoriza o uso de cookies pelo site.