Super-ricos estão ficando com quase toda riqueza, às custas de bilhões de pessoas

Nosso novo relatório faz alerta para Davos 2018: recompensem o trabalho, não a riqueza!

De toda a riqueza gerada no mundo em 2017, 82% foi parar nas mãos do 1% mais rico do planeta. Enquanto isso, a metade mais pobre da população global – 3,7 bilhões de pessoas – não ficou com nada. O dado faz parte do relatório “Recompensem o trabalho, não a riqueza”, lançado pela Oxfam às vésperas do encontro do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, que as elites empresariais e políticas do mundo.

O relatório revela como a economia global possibilita que a elite econômica acumule vastas fortunas enquanto milhões de pessoas lutam para sobreviver com baixos salários.

  • Houve um aumento histórico no número de bilionários em 2017: um a cada dois dias entre março de 2016 e março de 2017. Atualmente há 2.043 bilionários no mundo. O Brasil ganhou 12 bilionários a mais no período, passando de 31 para 43.
  • Nove entre cada 10 bilionários no mundo são homens.
  • A riqueza dos bilionários aumentou 13% ao ano, em média, desde 2010 – seis vezes mais rapidamente do que os salários pagos a trabalhadores, que tiveram aumento de apenas 2% por ano, na média, no mesmo período. Enquanto isso, mais da metade da população mundial vive com renda entre US$ 2 e US$ 10 por dia.
  • O patrimônio somado dos bilionários brasileiros chegou a R$ 549 bilhões em 2017, num crescimento de 13% em relação ao ano anterior. Ao mesmo tempo, os 50% mais pobres do país viram sua fatia da renda nacional ser reduzida ainda mais, de 2,7% para 2%.
  • O Brasil tem hoje cinco bilionários com patrimônio equivalente ao da metade mais pobre da população brasileira.

O relatório revela ainda que houve um aumento histórico no número de bilionários no mundo em 2017 – um novo super rico a cada dois dias. Atualmente há 2.043 bilionários no mundo, e 9 entre 10 são homens. Enquanto isso, a metade mais pobre da população mundial vive com renda de US$ 2 e US$ 10 por dia.

"O que vemos é um aumento absurdo da concentração de renda e riqueza no mundo, provocando mais pobreza e o aumento das desigualdades. Isso mostra que a economia segue sendo muito boa para quem já tem muito e péssima para quem tem pouco”, afirma Katia Maia, diretora executiva da Oxfam Brasil. “Entre os fatores que contribuem para esse quadro está a redução de custos trabalhistas, como salários e direitos, para maximizar retornos aos acionistas.”

Baixe o relatório e compartilhe as peças para redes sociais!

Leia também:

A Distância Que Nos Une - Um Retrato das Desigualdades Brasileiras

Teto de gastos: estudo revela queda de até 83% em políticas públicas para área social

Outro dado do relatório da Oxfam que revela uma crescente concentração de renda e riqueza no mundo: a riqueza dos bilionários aumentou 13% ao ano, em média, desde 2010, mais de seis vezes o aumento verificado dos salários pagos a trabalhadores no período (2% ao ano).

Pensar apenas na geração de novos empregos, mantendo as condições precárias de trabalho, é uma forma ineficiente de se eliminar a pobreza, diz o novo relatório da Oxfam. Nos últimos 25 anos, enquanto o 1% mais rico capturou 27% do crescimento da renda global entre 1980 e 2016, a metade mais pobre do mundo ficou com 13% de cada dólar inserido na economia. Mantendo o mesmo nível de desigualdade, a economia global precisaria ser 175 vezes maior para permitir que todos passassem a ganhar mais de US$ 5 por dia, o que seria ambientalmente catastrófica.[1].

"O aumento sem precedentes de bilionários não é um sinal de uma economia próspera, mas um sintoma de um sistema econômico falido. As pessoas que fazem nossas roupas, montam nossos telefones e cultivam nossos alimentos estão sendo exploradas para garantir um estoque constante de bens baratos e aumentar os lucros de empresas e investidores bilionários”, afirma Katia.

A Oxfam participa do Fórum Econômico Mundial em Davos para alertar governos e empresários sobre os impactos negativos de uma economia que prioriza a riqueza em vez do trabalho e para chama-los a tomar medidas que funcionem para todos e não apenas para os afortunados:

  • Limitar os retornos a acionistas e altos executivos de empresas e garantir o pagamento de salário digno para todos os trabalhadores, que os permita ter uma vida decente;
  • Eliminar as diferenças salariais por gênero e proteger os direitos das trabalhadoras. No ritmo atual de mudanças, serão necessários 217 anos para reduzir as diferenças salariais e oportunidade de empregos entre mulheres e homens;
  • Garantir que os ricos paguem uma cota justa de impostos e tributos, combatendo efetivamente a evasão e sonegação fiscais;
  • Aumentar gastos com serviços públicos, como de saúde e educação. A Oxfam estima que um imposto global de 1,5 por cento sobre a riqueza dos bilionários poderia cobrir os custos de manter todas as crianças na escola.  
 
  1. F. Alvaredo, L. Chancel, T. Piketty, E. Saez e G. Zucman. (2017). The World Inequality Report 2018. World Inequality Lab. http://wir2018.wid.world/ ; e

D. Woodward. (2015). Incrementum ad Absurdum: Global Growth, Inequality and Poverty Eradication in a Carbon-Constrained World. World Social and Economic Review. No. 4, 2015.

Doe agora

Seu apoio ajuda a mudar vidas

Cadastre-se para receber nossa newsletter