Oxfam Brasil

Hora de Mudar

Os grandes supermercados do mundo estão lucrando bilhões ano após ano a um custo muito alto: péssimas condições de trabalho, pobreza e sofrimento para milhões de homens e mulheres trabalhadoras e agricultores em diversas partes do planeta. A situação é tão desesperadora que muitos dos que produzem nossos alimentos mal têm o que comer. Está mais do que na hora de mudar essa realidade.

Fórum Internacional Tributário reúne especialistas nacionais e internacionais

Especialistas nacionais e internacionais estão reunidos esta semana em São Paulo para discutir modelos tributários europeus, asiáticos, americanos e do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) no Fórum Internacional Tributário SP18, realizado pela Anfip, Fenafisco e Sinafresp. O evento faz parte do projeto Reforma Tributária Solidária,que propõe um estudo aprofundado em busca de alternativas ao atual modelo brasileiro.

Participamos do painel que discute tributação internacional, evasão e paraísos fiscais. Confira programação!

Nota de falecimento – Giovanna de Moura

É com profunda tristeza que a Ação Educativa, Instituto Pólis e Oxfam Brasil receberam a notícia do falecimento da jovem Giovanna de Moura na noite de quinta-feira, 24 de maio. Com 21 anos, ela foi atropelada na região do Butantã, próximo à sua residência. Atriz e dançarina, Giovanna fazia parte do Levante Mulher, coletivo que denuncia a violência contra a mulher através da arte, principalmente do teatro, e do bloco afro Ilú Obá de Min.

Integrante do nosso projeto Juventude nas Cidades, foi atropelada na noite de quinta-feira (24/5) em SP

"A gente via o agronegócio crescendo nas costas daqueles que eles massacravam"

Edina Maria da Silva é uma jovem liderança da comunidade de posseiros do Engenho Barra do Dia, pertecente à falida usina Vitória, de cana-de-açúcar, localizada em Palmares, Pernambuco. A usina foi flagrada em 2008 com trabalhadores em condições análogas à escravidão, e faliu. As famílias que moram no local há cerca de 80 anos hoje aguardam a formalização da desapropriação da área para reforma agrária, e com isso terem seus direitos garantidos.

Entrevista com liderança de comunidade de posseiros em Pernambuco - é a 2a da série sobre mulheres e direito à terra

Mato Grosso do Sul produz carne às custas do sofrimento indígena, diz liderança Terena

O estado do Mato Grosso do Sul tem, segundo o IBGE, mais de 60 mil indígenas, que lutam há décadas pela demarcação de suas terras, hoje ocupadas hoje por fazendeiros. Nesse conflito, o saldo é amplamente desfavorável aos povos indígenas. O direito histórico à terra dos povos originários é desrespeitado pelo governo federal, que não toma as devidas medidas para demarcação dos territórios, e pelos grandes empresários do agronegócio local. No Mato Grosso do Sul, por mais absurdo que possa parecer, a vida dos milhares bois e vacas tem mais valor do que a dos indígenas.

Entrevista com a professora Ana Sueli Firimino, da aldeia Buriti, é a primeira de série sobre mulheres, terras e desigualdade

Terra e desigualdade: mulheres, direito à terra e os impactos do agronegócio

Qual o impacto da concentração de terras e do modelo de agricultura adotado no Brasil - produção em larga escala de produtos agrícolas voltados para a exportação, como soja, milho e outros - sobre as mulheres trabalhadoras do campo? Como agricultoras familiares, indígenas e mulheres de comunidades tradicionais (quilombolas, por exemplo) lidam com o constante desrespeito a seus direitos e o desigual acesso à terra e recursos naturais?

Oficina reúne lideranças do campo e comunidades indígenas e tradicionais de todo o país

"As desigualdades foram criadas pela sociedade, e por nós devem ser resolvidas"

Os desafios são muitos no Brasil e em toda América Latina quando o assunto é desigualdade. Mas também são muitas as oportunidades para resolver o problema, que afeta milhões de pessoas na região. "Quando falamos sobre desigualdades, é sempre importante observar que elas foram criadas pela sociedade. Não é algo que simplesmente caiu do céu.

Entrevista com nossa diretora executiva Katia Maia na Conferência Internacional sobre Desigualdades Rurais

Pobreza e desigualdade no campo são temas de Conferência em Roma

O mundo tem hoje mais de 800 milhões de pessoas vivendo na extrema pobreza, e a maior parte está nas áreas rurais do planeta. Quais as estratégias e programas necessários (e já existentes) que possam dar um fim à pobreza no campo e ajudar a cumprir o compromisso estabelecido pela Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da ONU, de 'não deixar ninguém para trás'?

Katia Maia, diretora executiva da Oxfam Brasil, participará do evento, que terá transmissão ao vivo
Foto: Cícero R. C. Omena/Creative Commons

Novo modelo econômico

Artigo de Oded Grajew publicado nesta quarta-feira (19/4) no jornal Folha de S. Paulo.

O jornalista Clóvis Rossi, a quem admiro por sua competência e integridade jornalística, publicou na sua coluna nesta Folha (26/3) um artigo no qual lamenta não termos até hoje uma proposta de modelo econômico que "ofereça esperança às pessoas".

Artigo de Oded Grajew, presidente do Conselho Deliberativo da Oxfam Brasil e idealizador do Fórum Social Mundial

Páginas