Oxfam Brasil

Percepção sobre as desigualdades em debate

Como os brasileiros percebem as desigualdades brasileiras e suas principais consequências? Quais políticas públicas podem reduzir essas desigualdades e tirar o Brasil do vergonhoso posto de um dos 10 países mais desiguais do mundo? Qual a expectativa em relação ao papel do governo e do Estado na redução das desigualdades?

Seminário Nós e as Desigualdades reuniu 254 pessoas no Tucarena para discutir sobre os resultados da pesquisa Oxfam Brasil/DataFolha
O público reunido no teatro Tucarena, da PUC-SP, debateu alguns dos principais aspectos das desigualdades brasileiras com especialistas convidados pela Oxfam Brasil. Fotos: Léu Britto/Oxfam Brasil

Ditadura não se celebra, democracia sim!

Diversas organizações da sociedade civil divulgaram uma nota pública na sexta-feira (29/3) para defender os valores democráticos, a garantia de direitos e as conquistas sociais no Brasil, e repudiar toda e qualquer manifestação de apoio ou celebração a um dos momentos mais sombrios da história brasileira - a ditadura civil-militar que durou 21 anos (1964-1985). A Oxfam Brasil é uma das organizações signatárias da nota pública. Leia abaixo a íntegra da nota:

Organizações divulgam nota em defesa dos valores democráticos e repudiam intenção do governo de comemorar aniversário do golpe de 64
Tropa do Exército em frente ao Congresso Nacional em 31 de março de 1964. Foto: Arquivo / Agência O Globo

Festival em homenagem a Marielle Franco lembra a força de seu legado

Muita emoção, ativismo e protestos deram o tom do Festival Justiça por Marielle e Anderson realizado ontem (14/3) no Rio de Janeiro para marcar o primeiro aniversário dos assassinatos da vereadora carioca e do motorista que a acompanhava na noite do crime que chocou o país.

Atividade realizada no Rio de Janeiro marcou o aniversário do assassinato da vereadora e seu motorista, Anderson Gomes
Foto: Clarice Lissovsky

1 ano sem Marielle: mataram uma voz, levantaram milhares!

Hoje faz um ano da morte de Marielle Franco, assassinada covardemente com 13 tiros na região central do Rio de Janeiro juntamente com o motorista Anderson Pedro Gomes. A evidente execução premeditada da vereadora e ativista dos direitos humanos tinha como objetivo calar uma poderosa voz - feminista, negra, lésbica, política - mas teve o efeito contrário, fazendo surgir milhares de outras vozes, para levar adiante sua luta e suas bandeiras.

Nota da Oxfam Brasil

Compromissos das grandes empresas de alimentação ficam pelo meio do caminho

As 10 maiores empresas de bebidas e alimentos do mundo, que são alvo de nossa campanha Por Trás das Marcas, já se comprometeram com políticas e boas práticas de fornecimento mais sustentáveis para seus produtos. Mas e as 'traders', que são as que fazem o elo entre os produtores e as empresas que vendem os produtos aos consumidores? Estão elas seguindo os mesmos compromissos para os impactos negativos sobre mulheres, pequenos produtores, terra e clima?

Novo relatório da Oxfam revela descompasso nos compromissos para impactos negativos sobre mulheres, pequenos agricultores, terra e clima
Foto: Anna Fawcus/Oxfam América

Direitos humanos chegam às prateleiras do maior supermercado holandês

A campanha Por Trás do Preço conseguiu uma excelente vitória esta semana: o maior supermercado da Holanda, o Albert Heijn, anunciou que vai exigir maior compromisso em relação aos direitos das mulheres, salários dignos e transparência das empresas de sua cadeia de fornecedores em todo o mundo. A iniciativa foi comemorada pela Oxfam Novib, que pretende monitorar os passos dados pela rede holandesa, para conferir se os compromissos assumidos estão mesmo sendo cumpridos.

Iniciativa da rede Albert Heijn é mais uma vitória de nossa campanha Por Trás do Preço

Azedou para a Citrosuco: empresa volta para a 'lista suja' do trabalho escravo

A Citrosuco, uma das maiores produtoras e exportadoras brasileiras de suco de laranja, voltou à lista suja do trabalho escravo do Ministério do Trabalho esta semana depois de a Justiça do Trabalho derrubar uma liminar que a deixava fora do cadastro. Segundo reportagem publicada pela Repórter Brasil, a empresa foi autuada em 2013 por manter 26 trabalhadores em situação análoga à escravidão em dois laranjais em São Paulo.

Gigante da laranja foi autuada por manter trabalhadores em situação análoga à escravidão em laranjais de São Paulo
Foto: Ministério Público do Trabalho - Procuradoria Regional do Trabalho da 15ª Região

Retrospectiva 2018 - um ano de muitos desafios.

2018 foi um ano de muitos desafios, de conquistas e retrocessos, que exigiram de todos os brasileiros muita força, criatividade e vontade. Em 2019, a situação não deverá ser muito diferente, mas independentemente do cenário posto, continuaremos nosso trabalho de enfrentamento das desigualdades - de renda, gênero e raça - para vencer a pobreza extrema e garantir que todos e todas tenham seus direitos garantidos e respeitados.

Assine nossa newsletter para acompanhar o trabalho que desenvolvemos no Brasil e no mundo!

Desigualdade na comida: quem realmente lucra com a nossa laranja?

Toda comida que a gente consome é produzida por milhões de agricultores pelo mundo. Um trabalho que deveria ser cada vez mais celebrado e valorizado, mas a realidade é bem diferente. Conforme revelamos em nosso relatório Hora de Mudar, lançado em junho de 2018, quem tem ficado com fatias cada vez mais generosas do dinheiro gerado pela produção agrícola são os grandes supermercados, especialmente dos Estados Unidos e Europa, e outros gigantes da indústria alimentícia.

Somos um dos maiores produtores da fruta no mundo, mas isso só tem beneficiado alguns poucos

Páginas