desigualdades

Pobreza e desigualdade no campo são temas de Conferência em Roma

O mundo tem hoje mais de 800 milhões de pessoas vivendo na extrema pobreza, e a maior parte está nas áreas rurais do planeta. Quais as estratégias e programas necessários (e já existentes) que possam dar um fim à pobreza no campo e ajudar a cumprir o compromisso estabelecido pela Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da ONU, de 'não deixar ninguém para trás'?

Katia Maia, diretora executiva da Oxfam Brasil, participará do evento, que terá transmissão ao vivo
Foto: Cícero R. C. Omena/Creative Commons

Novo modelo econômico

Artigo de Oded Grajew publicado nesta quarta-feira (19/4) no jornal Folha de S. Paulo.

O jornalista Clóvis Rossi, a quem admiro por sua competência e integridade jornalística, publicou na sua coluna nesta Folha (26/3) um artigo no qual lamenta não termos até hoje uma proposta de modelo econômico que "ofereça esperança às pessoas".

Artigo de Oded Grajew, presidente do Conselho Deliberativo da Oxfam Brasil e idealizador do Fórum Social Mundial

Campanha com mais de 60 organizações pede revogação do Teto de Gastos

Mais de 60 organizações, movimentos sociais, conselhos e redes estão participando da campanha Direitos Valem Mais, Não aos Cortes Sociais - por uma economia a favor da vida e contra as desigualdades para estimular o debate público sobre os impactos negativos da política econômica de austeridade no cotidiano dos brasileiros. A ideia da campanha é articular um conjunto de ações ao longo deste mês de abril para conseguir a revogação da Emenda Constitucional 95, mais conhecida como Teto de Gastos Sociais.

Mobilização incentiva criação de rodas de conversa para ampliar debate sobre impactos da austeridade

Oxfam Brasil participa do Fórum Social Mundial 2018

O presidente do Conselho Deliberativo da Oxfam Brasil, Oded Grajew; a diretora executiva da organização, Katia Maia; e o coordenador de campanhas, Rafael Georges, participam esta semana da 13ª edição do Fórum Social Mundial, em Salvador (BA), para discutir o tema das desigualdades.

As apresentações da Oxfam Brasil vão ocorrer na quarta (14/3) e quinta-feira (15/3), sempre no Campus Ondina da Universidade Federal da Bahia (UFBA). 

Evento tem início amanhã, em Salvador, com previsão de reunir mais de 60 mil pessoas em Salvador

Recompensem o Trabalho, Não a Riqueza

Relatório lançado em janeiro de 2018, às vésperas do Fórum Econômico Mundial, realizado em Davos, Suíça, que reúne as lideranças empresariais globais. O relatório revela como o modelo econômico mundial tem possibilitado que alguns poucos empresários acumulem enormes fortunas enquanto milhões de pessoas lutam para sobreviver com baixos salários e em condições precárias de trabalho.

Veja aqui como foi o lançamento do relatório.

Super-ricos estão ficando com quase toda riqueza, às custas de bilhões de pessoas

De toda a riqueza gerada no mundo em 2017, 82% foi parar nas mãos do 1% mais rico do planeta. Enquanto isso, a metade mais pobre da população global – 3,7 bilhões de pessoas – não ficou com nada. O dado faz parte do relatório “Recompensem o trabalho, não a riqueza”, lançado pela Oxfam às vésperas do encontro do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, que as elites empresariais e políticas do mundo.

Nosso novo relatório faz alerta para Davos 2018: recompensem o trabalho, não a riqueza!

Teto de gastos: estudo revela queda de até 83% em políticas públicas para área social

Políticas públicas voltadas à área social tiveram redução de até 83% no orçamento nos últimos três anos, revela estudo do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) feito em parceria com a Oxfam Brasil e Centro para os Direitos Econômicos e Sociais (CESR, na sigla em inglês), apresentado nesta quinta-feira (14/12) em audiência pública realizada na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Levantamento realizado pelo Inesc, Oxfam Brasil e CESR foi apresentado em audiência pública na Câmara

Audiência debate impactos negativos do Teto de Gastos aos direitos humanos

O Brasil, que já é um dos países mais desiguais do mundo, corre o risco de voltar para o Mapa da Fome, deixar pessoas sem acesso a medicamentos e mulheres vítimas de violência, em sua maioria negras e jovens, desprotegidas.

Emenda Constitucional 95 completa um ano com graves efeitos sobre segurança alimentar, desigualdades e acesso a medicamentos, aponta estudo a ser lançado durante evento

Páginas