conflito armado

A Síria precisa de dinheiro para se reconstruir, não de mais um comunicado

Os representantes de governos que se reúnem nesta quinta-feira (14/3) em Bruxelas (Bélgica) para discutir a guerra na Síria precisam apresentar mais do que um 'comunicado' se realmente quiserem ajudar o país. Milhões de pessoas sofrem consequências graves com o conflito armado, que completa oito anos nesta sexta-feira (15/3), e o que elas realmente querem é recursos para reconstruírem suas vidas.

Conflito de 8 anos ja matou milhares de pessoas e deixou quase 12 milhões dependentes de ajuda humanitária
Foto: Nadine Mazloum/Oxfam

Vírus Ebola no Congo

Equipes de socorro prestam atendimento às comunidades atingidas pelo vírus Ebola na República Democrática do Congo. Rapidez na higienização dos locais é um fator de sobrevivência. Foto: John Wessels/Oxfam

Situação Atual

A República Democrática do Congo é um dos maiores países da África, com uma população de 65 milhões de pessoas, e um dos mais pobres da África. Está entre os 10 países com menor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do mundo.

Além das péssimas questões sanitárias, o país sofre com constantes conflitos civis e militares, com perseguições a grupo étnicos minoritários. Não bastasse esse cenário, o vírus do Ebola ressurgiu e o páis vive um surto da doença.

Cerca de quatro milhões de pessoas foram forçadas a deixar suas casas por causa do conflito armado no país. É a maior crise de deslocamento na África atualmente. Treze milhões de pessoas precisam urgentemente de ajuda humanitária, incluindo mais de sete milhões que sofrem de fome aguda. Cerca de 400 mil crianças sofrem de má nutrição na região de Kasai. Milhões não têm acesso a água potável e estão matando a sede em fontes não seguras.

A volta do Ebola

O OMS (Organização Mundial de Saúde) declarou emergência de saúde pública no país. O vírus ressurgiu em locais de difícil acesso, principalmente devido à presença de grupos rebeldes armados, mas também há casos em regiões de grande concentração populacional, como é a cidade de Goma,com mais de 2 milhões de habitantes, localizada na fronteira com Ruanda. Já são mais de 1.600 mortos desde o início do surto, em agosto de 2018.

Veja mais sobre nossa ação para enfrentar o surto de ebola na República Democrática do Congo.

 

Nossa Resposta

Estamos na República Democrática do Congo ajudando mais de 400 mil pessoas vítimas dos conflitos no país, providenciando água potável e alimentos, instalando pontos de purificação de água e de higiene pessoal, bem como chuveiros e banheiros. Especificamente com o surto de ebola já foram mais de 138.000 pessoas alcançadas. Também trabalhamos com líderes das comunidades locais e voluntários para melhorar as práticas de higiene e prevenir que a doença se espalhe.

Em parceria com o Programa Alimentar Mundial, estamos distribuindo alimentos para 100 mil pessoas.

Também estamos implementando estratégias de curto prazo para permitir que as famílias mais vulneráveis consigam meios básicos de sobrevivência, distribuindo sementes para plantações, e dinheiro e vales para permitir que as pessoas comprem comida e artigos básicos. Promovemos também as cooperativas agrícolas, dando apoio aos agricultores congoleses para que possam aumentar a produtividade de suas colheitas e melhorar a comercialização de seus produtos.

Com a sua ajuda, podemos salvar muitas vidas na República Democrática do Congo.